Tragédias ambientais anunciadas

A ONG Verde sugere cursos intensivos de educação ambiental para cidadãos e também para os gestores públicos

Tragédias ambientais anunciadas
Janeiro/20 - Todos os anos é a mesma coisa. Só mudam as intensidades, tanto das chuvas, quantos das reclamações, mas os problemas são iguais e dizem respeito diretamente à educação ambiental ou à falta de conhecimentos socioambientais dos brasileiros.

A começar pelos cidadãos que jogam lixo pelas janelas dos carros, o que é muito comum, desde entre os proprietários de carros populares e até de carrões de mais de cem mil reais. Não faz diferença! São igualmente mal educados e sem consciência ambiental.

Neste aspecto, importante também igualar o pedestre e todos aqueles que fazem das ruas um depósito comum de lixo, principalmente de embalagens plásticas, pets e entulhos, muitas das vezes depositados em locais impróprios e em passagem de enxurradas.

Esses fatores contribuem diretamente para entupimento dos bueiros e das bocas de lobo ocasionando, invariavelmente, o não escoamento adequado das águas pluviais e consequente transformação de ruas e avenidas das cidades em rios urbanos.

Mas, muito mais importante e até fatal, é o consentimento das autoridades municipais, estaduais e federais em permitir construções de casas e barracos em ladeiras, com inclinação acima dos 45 graus, e nas beiras de cursos de água, independentemente do volume, locais esses que devem ser ocupados por matas ciliares e de galeria.

Infelizmente, é comum nos noticiários vermos casas residenciais e de comércio inundados ou sendo destruídas pela força das águas. Geralmente, nas periferias e de pessoas de menor poder aquisitivo. Cem por cento desses casos tem conivência ou omissão dos governantes, mas, dificilmente, um repórter questiona esse aspecto permissivo e até criminoso por parte das pessoas que ocupam cargos públicos.

Importante ressaltar que jamais devemos construir dentro de áreas destinadas à vazão de córregos e rios. Nunca edificar construções dentro de locais de matas ciliares ou de galeria, mesmo que estejam degradados, esses lugares deveriam ser recuperados, preservado e não ocupados. Mesmo que seja por períodos mais distantes, mais dias, menos dias, determinados locais estão sujeitos à ação da natureza e das intempéries que não tem data marcada.

Portanto, devemos cobrar das autoridades posturas socioambientais e preservacionistas, tanto dos ecossistemas naturais, quanto das vidas humanas. 

Iconha/ES é exemplo de cidade sem planejamento ambiental

Tragédias ambientais anunciadas
Mas, muito mais importante e até fatal, é o consentimento das autoridades municipais, estaduais e federais em permitir construções de casas e barracos em ladeiras, com inclinação acima dos 45 graus, e nas beiras de cursos de água, independentemente do volume, locais esses que devem ser ocupados por matas ciliares e de galeria.

Infelizmente, é comum nos noticiários vermos casas residenciais e de comércio inundados ou sendo destruídas pela força das águas. Geralmente, nas periferias e de pessoas de menor poder aquisitivo. Cem por cento desses casos tem conivência ou omissão dos governantes, mas, dificilmente, um repórter questiona esse aspecto permissivo e até criminoso por parte das pessoas que ocupam cargos públicos.

Importante ressaltar que jamais devemos construir dentro de áreas destinadas à vazão de córregos e rios. Nunca edificar construções dentro de locais de matas ciliares ou de galeria, mesmo que estejam degradados, esses lugares deveriam ser recuperados, preservado e não ocupados. Mesmo que seja por períodos mais distantes, mais dias, menos dias, determinados locais estão sujeitos à ação da natureza e das intempéries que não tem data marcada.

Portanto, devemos cobrar das autoridades posturas socioambientais e preservacionistas, tanto dos ecossistemas naturais, quanto das vidas humanas. 

Ruas se transformam em depósitos de lixo

Tragédias ambientais anunciadas
Mas, muito mais importante e até fatal, é o consentimento das autoridades municipais, estaduais e federais em permitir construções de casas e barracos em ladeiras, com inclinação acima dos 45 graus, e nas beiras de cursos de água, independentemente do volume, locais esses que devem ser ocupados por matas ciliares e de galeria.

Infelizmente, é comum nos noticiários vermos casas residenciais e de comércio inundados ou sendo destruídas pela força das águas. Geralmente, nas periferias e de pessoas de menor poder aquisitivo. Cem por cento desses casos tem conivência ou omissão dos governantes, mas, dificilmente, um repórter questiona esse aspecto permissivo e até criminoso por parte das pessoas que ocupam cargos públicos.

Importante ressaltar que jamais devemos construir dentro de áreas destinadas à vazão de córregos e rios. Nunca edificar construções dentro de locais de matas ciliares ou de galeria, mesmo que estejam degradados, esses lugares deveriam ser recuperados, preservado e não ocupados. Mesmo que seja por períodos mais distantes, mais dias, menos dias, determinados locais estão sujeitos à ação da natureza e das intempéries que não tem data marcada.

Portanto, devemos cobrar das autoridades posturas socioambientais e preservacionistas, tanto dos ecossistemas naturais, quanto das vidas humanas. 

Isso é responsabilidade das autoridades!

Tragédias ambientais anunciadas
Mas, muito mais importante e até fatal, é o consentimento das autoridades municipais, estaduais e federais em permitir construções de casas e barracos em ladeiras, com inclinação acima dos 45 graus, e nas beiras de cursos de água, independentemente do volume, locais esses que devem ser ocupados por matas ciliares e de galeria.

Infelizmente, é comum nos noticiários vermos casas residenciais e de comércio inundados ou sendo destruídas pela força das águas. Geralmente, nas periferias e de pessoas de menor poder aquisitivo. Cem por cento desses casos tem conivência ou omissão dos governantes, mas, dificilmente, um repórter questiona esse aspecto permissivo e até criminoso por parte das pessoas que ocupam cargos públicos.

Importante ressaltar que jamais devemos construir dentro de áreas destinadas à vazão de córregos e rios. Nunca edificar construções dentro de locais de matas ciliares ou de galeria, mesmo que estejam degradados, esses lugares deveriam ser recuperados, preservado e não ocupados. Mesmo que seja por períodos mais distantes, mais dias, menos dias, determinados locais estão sujeitos à ação da natureza e das intempéries que não tem data marcada.

Portanto, devemos cobrar das autoridades posturas socioambientais e preservacionistas, tanto dos ecossistemas naturais, quanto das vidas humanas.