O macaco não transmite febre amarela

Eles são indicadores importantes para vigilância e controle do virus

É importante informar que os macacos não transmitem a febre amarela para o homem e não são os responsáveis pela propagação da doença. 

Mas, eles são indicadores importantes para vigilância e controle do virus da febre amarela. 

A notificação da morte ou mesmo de macacos doentes pode ser realizada por qualquer indivíduo, e deve ser enviada o mais brevemente possível para Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para que as devidas providências possam ser tomadas a contento.
 
Em Minas Gerais, 74 municípios já aparecem na lista dos casos confirmados de morte de primatas vitimados pela febre amarela, sendo que em 38 municípios os casos já estão oficializados. 

Clique e veja PDF da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, atualizada em 09/02. 

Com esse número, algums veículos de comunicação já falam em epidemia de febre amarela em Minas Gerais. Pelo menos entre os macacos isso já é fato, mas se medidas urgentes e pontuais não forem tomadas pelos governos, mais essa peste também poderá se generalizar entre as pessoas e provocar muitos óbitos.

Macacos com febre amarela em Belo Horizonte, Betim e Contagem

Foram detectados novos resultados positivos para febre amarela de primatas não humanos nos seguintes municípios: Belo Horizonte, Betim e Contagem (regional de saúde de Belo Horizonte), Bocaiuva (regional de saúde de Montes Claros), Poços de Caldas (regional de saúde de Pouso Alegre), Curvelo (regional de saúde de Sete Lagoas) e Japaraíba (regional de saúde de Divinópolis). Apesar da presença de circulação do vírus da febre amarela nos macacos, nestes locais, até o momento, não há notificação de casos de febre amarela em humanos.
 
Como o vírus já se apresenta em grandes centros urbanos, a vacinação é a única forma de prevenção e quem ainda não se vacinou é melhor procurar um posto de saúde para receber a dose que poderá garantir-lhe um futuro saudável. 

Importante ressaltar que a vacina só começa efetivamente a fazer efeito dez dias depois do recebimento da dose.
 
A região Oeste de Minas Gerais teve o primeiro caso de morte de macaco por de febre amarela confirmado em Japaraíba, neste 08/02, sendo esse primata encontrado nas cercanias de lugar conhecido como “Curva do Veloso”. A Fundação Oswaldo Cruz, do Rio de Janeiro, confirmou a contaminação.
 
O segundo caso de morte de macaco por febre amarela no Oeste de Minas Gerais foi confirmado neste 09/02. O animal morto foi encontrado em São Roque de Minas e boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) apresentou resultado positivo para o exame realizado no macaco.
 
Nas nascentes do Rio São Francisco, na Serra da Canastra, onde a ONG Verde tem sede, não há casos da doença registrados em humanos, mas a Superintendência de Saúde alerta empresários locais e turistas que vão visitar a região para tomar a vacina contra a febre amarela.
 
Essa ação é preventiva e realizada, principalmente, em São Roque de Minas e Vargem Bonita, cidades que ouviram palestras sobre o tema, neste início de fevereiro, com ênfase para orientar aos turistas a se vacinar antes de chegar à região.