A sustentabilidade no planeta Terra

A vida na Terra pode ser mais esplêndida, formosa e socialmente justa!

A vida na Terra pode ser mais esplêndida, formosa e socialmente justa!
Abril/20 - O Covid-19, um novo tipo de coronavírus que assola o planeta, coloca em evidência a precariedade e a ineficiência das políticas públicas de saúde no Brasil e as ações predatórias da espécie humana, capazes de desequilibrar os ecossistemas, as cadeias alimentares e até provocar extinções em massa na Terra.

Apenas algumas semanas de quarentena ao redor do mundo bastaram para modificar, radicalmente, a qualidade do ar, facilmente comprovado por imagens de satélites, principalmente nos países que mais contribuem para a poluição, caso da China, USA, União Europeia e grandes metrópoles com frotas de veículos movidas por combustíveis fósseis.

Esse efeito de limpeza atmosférica também é sentido pela desaceleração econômica mundial, devido ao fechamento de fábricas em muitos países e indústrias que, além de poluir o meio ambiente, também estimulam o processo do efeito estufa e das grandes mudanças climáticas em curso.

Canais de Veneza estão limpos

A vida na Terra pode ser mais esplêndida, formosa e socialmente justa!
No contexto ambiental, é importante citar Veneza, na Itália, reduto turístico mundial, que é um claro exemplo de como os efeitos de uma forma de turismo sem controle afeta a qualidade das águas: as hidrovias que percorrem a cidade, diariamente com incontáveis idas e vindas de barcos e gôndolas pelos canais, estão com as águas claras, como há tempos não era registrado.

Em quase todas as grandes cidades ao redor do mundo são descritos casos de animais circulando de forma inusitada, em busca de comida ou pela curiosidade de perceberem ruas vazias.

No Japão, cervos selvagens foram vistos em Nara; na Itália, foram flagradas ovelhas, cavalos e javalis; na Tailândia, macacos brigam por comida, antes farta pela presença das pessoas; na Espanha, javalis e pavões passeiam tranquilamente nas ruas de Madri e Barcelona; na Austrália, cangurus são avistados nas ruas e praças vazias de grandes centros urbanos... 

A Natureza agradece!

A vida na Terra pode ser mais esplêndida, formosa e socialmente justa!
O fator “quarentena” está contribuindo para a nidificação e o nascimento de tartarugas consideradas em perigo de extinção.

Nos USA, a tartaruga de couro ou gigante teve um maior números de ninhos atribuídos pela baixa poluição pouca circulação de pessoas nas praias. Em Pernambuco, no Brasil, excepcionalmente, 291 tartarugas marinhas nasceram à beira mar, sendo 87 tartarugas-verdes e 204 tartarugas-de-pente.

Em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, bandos de pássaros mais ariscos com a presença humana, dentre esses o tucano-toco, são avistados com mais frequência em muitos locais da cidade e um casal fez um ninho numa árvore no bairro Sion.

Em São Paulo, a maior cidade brasileira, os horizontes estão mais limpos e, consequentemente, os dias e o por do sol estão mais deslumbrantes, merecendo até aplausos dos paulistanos.

Em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, bandos de pássaros mais ariscos com a presença humana, dentre esses o tucano-toco, são avistados com mais frequência em muitos locais da cidade e um casal fez um ninho numa árvore no bairro Sion.

Em São Paulo, a maior cidade brasileira, os horizontes estão mais limpos e, consequentemente, os dias e o por do sol estão mais deslumbrantes, merecendo até aplausos dos paulistanos.

Justiça social

A vida na Terra pode ser mais esplêndida, formosa e socialmente justa!
Esses são apenas alguns relatos de como a presença e as ações humanas afetam diretamente a qualidade de vida no planeta e de outras espécies da fauna e da flora com desmatamentos e queimadas.

Quem sabe, a nossa espécie possa apreender com essas ocorrências e começar a pensar em novos paradigmas de vida, mais minimalista, menos consumista e com mais igualdade e justiça social.

Repensar a exploração do meio ambiente, seja na forma industrial, mineraria e mesmo no atual modelo de turismo predatório, ainda em vigor em muitos locais paradisíacos do Brasil.

Mais minimalista; menos consumista

A vida na Terra pode ser mais esplêndida, formosa e socialmente justa!
Uma pandemia proveniente de zoonoses caracterizada pela destruição do habitat natural ou pelo contato de humanos com animais silvestres, seja pela caça ou comércio, pode dizimar totalmente a nossa espécie.

Há alguns anos, cientistas já afirmavam que pandemias fazem parte do futuro das sociedades modernas.

Esse fato é corroborado por estudos e pesquisas que apontam essa possibilidade pela globalização: o comércio internacional e a frequencia dessas viagens, tanto comerciais, quanto para o lazer, expõem as fragilidades e deficiências nos sistemas de saúde da maioria dos países, evidenciados pelo crescimento populacional e pela interferência e redução no habitat da vida selvagem.


Muitas florestas são derrubadas para aumentar a produção de grãos e transgênicos. A maior parte não é para alimentar pessoas, mas para produzir ração e engordar um volume assustador de animais em confinamento e satisfazer a comilança de carnes, cada vez mais exóticas, nas refeições humanas.

Por isso, é tão urgente repensar nossos modos e meios de vida e avançar para construir uma sociedade cujo pilar sustentador seja a educação e não o consumo.